Diário de Bordo, viagem do fim de semana.

Era sexta feira, naquele momento o jogo do Brasil estava para começar, estupidamente, eu acordei cedo numa sexta-feira, mas juro,- foi sem querer. Como eu já estava acordado, tomei a decisão de ficar acordar até o jogo do Brasil. O que não aconteceu, acordei quando o Brasil fez o primeiro gol, com a minha mãe batendo na porta do meu quarto dizendo que o Brasil fez gol, ela até mim deu uma vuvuzela de presente.

Meu pai nos ligou dizendo que minha avó, estava no hospital, o problema é que minha avó mora a mais de 100km da minha cidade.

Meu pai chegou, eu e minha mãe entramos tão rapidamente no carro, que quando eu percebi  já estávamos prestes a sair da minha cidade.

Todo o trajeto de qualquer viagem, de alguma forma acaba se tornando chata ao longo do percurso.

Enquanto, viajávamos, eu coloquei na cabeça que nada que estivesse na estrada passaria despercebido pelos meus olhos que tudo vêem .

Após 2 horas de viagem – meu pai parou em um monte de lugares-, chegamos a cidade, amigos fazia uns 2 anos que eu não pisava naquela cidade, lembrou profundamente de ladeiras.

Amigos, as pessoas que moram naquela cidade, não precisam de academia, se você subir e descer aquela ladeira umas 10 vezes,  você perde 3 quilos e fica fica com a barriga legal.

Quando chegamos, fomos até a casa da minha vovó, na esperança de encontra alguém. Não havia mas ninguém lá, todos haviam ido para para o hospital.

Entramos novamente no carro, e partimos, para o hospital, no caminho, encontramos um dos meus tios e uma das minha tias, entraram no carro e partimos logo em seguida para o hospital.

Quando chegamos não era horário de visita, esperamos até as 15:00 da tarde, que era o horário certo. Visitamos a minha vovó, ficamos lá até o último minuto o possível, e fomos para casa.

Eu pensei que iríamos, e voltaríamos no mesmo dia.

Ledo engano amiguinhos.

Meu pai, disse que iríamos passar a noite lá a noite, tentei resistir no começo mas  perdi a batalha. Eu sempre perco as batalhas – amigos, gostaria de saber porque os filhos quase nunca ganham as batalhas com os pais-.

Não tinha mais jeito, resisti porque não consigo viver longe de casa, mais foi legal passar a noite lá.

Decidimos ficar todos na mesma casa, nos dividimos, e ficamos conversando durante um longo tempo.

Quando eu, descubro que alguém estava roncando, mas esta não estava entre nós, era umas das minha tias no quarto ao lado ontem estávamos todos nós conversando alegremente.

Ouvindo minha tia roncar, eu, minha mãe, minha tia, meu pai, todos começamos a rir loucamente, não aguentamos e resolves tentar sacanear minha tia.

Eu sabia que minha outra tia, estava com algo para passar na cara do meu pai, enquanto nós dormiamos.

Minha tia não parava de roncar, não vou citar nomes, para não constranger ninguém.

Gravamos a situação, para no outro dia, quando comentássemos sobre o ronco, ninguém negaria, e diria que não roncava.

Amigos, minha tia parecia um trator, de tão alto e absurdo era o ronco dela.

Quando saímos do quarto para não acordar ninguém, começamos  a escutar assobios.

No principio achamos que fazia parte de ronco.

Ledo engano amigos.

Quando esse blogueiro que conta a vocês essa linda história de família, chega em frente a porta do quarto da minha tia, os assobios param.

Quando eu volto, começam novamente.

Achamos rapidamente que era um espírito brincalhão. Sabe quando você fica com muito medo ?. Meu medo era um tanto quanto medonho demais, mim senti um carneiro na toca do lobo.

Tipo, para ir até o banheiro, eu teria que passar em frente a porta do quarto quando assobios medonhos saiam. Juro para vocês, que se eu estivesse precisando ir ao banheiro, eu não iria. Era mais seguro fazer minhas necessidades em minha próprias calças, e eu não resistiria amigos, eu faria minhas necessidades nas minha próprias calças, para não passar em frente ao quarto.

Então, mazomenos issaê , esqueci de muitas partes, bem mais legais, mas  achei  legal contar, as que lembrei.

Anúncios

Sobre joão

Milhares e milhares tentativas frustradas de fazer o leitor mal humorado rir.

Publicado em 03/07/2010, em Minha vidinha. Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

Então, comenta ai...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: